My dream is having all this map painted in red

Saturday, 25 July 2009

Moscou

Moscou - Rússia

 

Antes de mais nada, esqueça tudo o que você sempre ouviu dizer da Rússia. Esqueça o comunismo e a foice e o martelo. Apague da sua memória tudo isso. E, principalmente, pare de pensar que tudo por lá é secreto, proibido e sigiloso. Sim, as velhas senhoras de andar curvado, lenço na cabeça, olhar triste e sofrido, sempre enfiadas em pesados casacões mesmo no verão ainda estão lá. A diferença é que hoje elas caminham ao lado de lindas garotas, homens de negócios e mulheres bem vestidas. Essa é a nova Moscou, uma cidade completamente moderna.

 

Moscou - Rússia

 

Uma vida atribulada, é verdade. Só nos últimos 100 anos da cidade fundada pelo príncipe Yury Dolgoruki, em 1147, Moscou recuperou sua condição de capital da Rússia, sofreu nas duas Grandes Guerras, viu o comunismo ascender ao poder, viveu décadas de isolamento, assistiu ao desmantelamento da União Soviética, e agora, nas últimas décadas, vem vivendo a sua talvez mais brusca mudança, a da ocidentalização.

 

Moscou - Rússia

 

Mesmo com o fim da antiga União Soviética, a Rússia ainda e um país gigantesco, em área, o maior do mundo, com 17 milhões de quilômetros quadrados, ou cerca de dois Brasis. Sozinha, ela ocupa um sétimo do planeta, é banhada por três oceanos e faz fronteira com nada menos que dezesseis países, sendo quatorze por terra e dois por mar (incluindo-se aí até os Estados Unidos). A Rússia é tão grande que só para cruzar o seu território de uma ponta a outra um avião leva quase um dia inteiro e, durante esse período, atravessa nada menos que dez faixas de fuso horário. Ou seja, quando Moscou acorda, a esquecida Península de Kamchatka, no extremo leste do país, já está indo dormir. E é esse gigantismo do país que torna Moscou tão simbólica. Além de poderosa.

 

Moscou - Rússia

 

Durante muito tempo, o mundo, envolvido pela publicidade norte-americana, aprendeu a olhar para Moscou com olhos de desconfiança. Você mesmo, admita, ainda achava que só por entrar na Rússia, um pacato viajante poderia acabar preso nos porões da KGB, confesse! Ok, vá lá que as ruas ainda estejam coalhadas de militares, que eles sejam realmente sisudos, que usem pesadas fardas e empunhem intimidadores cacetetes e que, se você não respeitar a ordem deles de não parar defronte ao corpo embalsamado do ex-líder Lenin, no Mausoléu da Praça Vermelha, imediatamente levará um belo empurrão, talvez, vários. Mas isso não quer dizer que eles não gostem de você, apenas que ainda não estão totalmente acostumados aos novos tempos.

 

Moscou - Rússia

 

Mudanças essas como a inauguração da sua primeira loja do McDonalds na capital russa décadas atrás, foi preciso chamar até o Exército para organizar as filas. Hoje, não por coincidência, aquela mesma loja na Avenida Tverskaya, que é uma espécie de Avenida Paulista moscovita, repleta de executivos é a maior da rede em todo o mundo, com um impressionante batalhão de 120 funcionários e 40 mil clientes atendidos por dia.

 

Moscou - Rússia

 

Há algum tempo que a capital russa faz parte do grande circuito das metrópoles mundiais. Nas últimas décadas, Moscou passou, inclusive, por uma reforma geral. Assim, o Arco Ibérico, destruído na era soviética para facilitar o acesso dos tanques aos desfiles da Praça Vermelha, foi reerguido. A Catedral de Nossa Senhora, transformada pelos comunistas em banheiro público, voltou a ser um lugar sagrado.

 

Moscou - Rússia

 

Ainda assim, porém, a principal obra foi a impressionante reconstrução da Catedral de Cristo, o Salvador, com suas cinco torres de cúpulas douradas, a maior delas com a altura de um prédio de trinta andares. Mandada construir por Alexandre I, em 1812, como um prêmio aos russos por terem brecado o avanço das tropas de Napoleão, a igreja levou décadas para ficar pronta mas foi completamente destruída no auge do comunismo, quando Lênin ordenou que dinamitassem todos os monumentos religiosos. Literalmente, não sobrou pedra sobre pedra nas principais igrejas soviéticas. Reduzida a escombros em 1931, a Cristo Salvador ressuscitou inteira.

 

Moscou - Rússia

 

Há, também o contraditório e por muitos considerada feio, monumento de cinquenta metros de altura ao ex-imperador Pedro, o Grande, que plantado numa das margens do Rio Moscou representa uma torre, um guerreiro, uma caravela e mais um monte de coisas empilhadas, sem nenhum critério, muito menos estética. Até os moscovitas não gostam. Mas não porque seja feio e sim porque foi justamente o Imperador Pedro quem levou a capital russa de Moscou para São Petersburgo, 300 anos atrás. A injustiça só foi reparada no início deste século, quando a Revolução Bolchevique depôs o último czar e pôs um fim a família imperial russa.

 

Moscou - Rússia

 

Hoje, os restos desse tempo de fausto e luxo sem limites estão espalhados pelos museus russos que exigem uma visita mais demorada. E ali, em meio a carruagens douradas e pesadas roupas de pedras preciosas (uma delas com insuportáveis 35 quilos, sendo 24 de puras pérolas), que você começa a entender o porquê da Revolução Russa. Perto da ostentação despudorada dos antigos czares, a nobreza francesa de Luís XIV parecia uma típica família classe média.
A contrapartida é que foi essa mesma opulência que gerou alguns dos mais fantásticos monumentos da Rússia. A arquitetura de Moscou, por exemplo, pode ser dividida em dois estilos bem nítidos. De um lado, os belos e ricos monumentos, palácios e igrejas, com suas cúpulas douradas e arredondadas, os célebres telhados coloridos, que são uma espécie de símbolo informal da Rússia. Do outro, os feios, austeros e acinzentados prédios construídos na era Lênin e onde vivem os moscovitas até hoje. Em Moscou não existem meios termos. Ou as construções são suntuosas como bolos de casamento, ou espartanas como caixotes de cimento.

 

Moscou

 

Na década de noventa, o fim de um regime autoritário de mais de setenta anos e a conquista de uma liberdade de expressão sem paralelos na história do país chegaram, por outro lado, acompanhados da pior crise de abastecimento que a Rússia já viveu. No começo, ainda acostumados a viverem sob a tutela do governo, os comerciantes simplesmente não sabiam o quanto comprar de cada coisa. Resultado, faltou tudo. Atônitas, as pessoas passavam os dias pulando de fila em fila, mesmo sem saber o que estava sendo vendido nelas, ou era algo que já estava em falta ou que, logo, logo, iria faltar. Depois, com a normalização do abastecimento, veio a liberação dos preços, algo com que os russos também não estavam acostumados. E a situação piorou novamente.

 

Moscou - Rússia

 

Em Moscou, o que ainda não mudou totalmente, pelo menos já se adaptou aos novos tempos. As largas avenidas continuam entupidas de velhos Ladas, mas ninguém mais olha com surpresa para um carrão japonês. A fachada da centenária Gum, a loja oficial do antigo regime comunista, defronte aos muros do Kremlin, continua a mesma, mas em seu interior hoje só desfilam as grandes griffes internacionais. E até o próprio Kremlin abriu seus portões aos visitantes, que hoje se divertem espocando flashs onde antes um estrangeiro mal podia entrar. Sim, a cidade, como de resto toda a Rússia, mudou muito. Mas Moscou continua exercendo um secreto fascínio no resto do mundo. Devido a distancia do Brasil talvez não seja uma cidade que os visitantes brasileiros sempre voltem para visitar mas o que posso garantir é que para Moscou, basta uma vez para a visita se tomar inesquecível.

 

Moscou - Rússia

 

Para alguns Moscou está um pouco para lá da Europa (apesar de oficialmente a cidade se situar no continente Europeu), para outros um pouco para cá da Ásia. Para os siberianos, é o "Oeste", para seus moradores, é a Cidade Mãe. Foi também chamada de Terceira Roma quando adotou o cristianismo ortodoxo e era até recentemente o centro de um dos maiores impérios do planeta.
Em Moscou, a dimensão simbólica muitas vezes ultrapassa a realidade. A mera menção de seu nome evoca algo maior do que uma simples capital, tanto para os russos quanto para os estrangeiros. Objeto de desejo de Exércitos inimigos, envolta em mistério para quem vem de fora, para seus moradores, é o lugar da pureza do sangue e do solo da Rússia.

 

Moscou - Rússia

 

Como nenhum outro local, a cidade reflete as ambiguidades desse país, onde brutalidade e delicadeza são inseparáveis. Um país capaz de produzir armas atômicas e passos de balé, é responsável por um dos maiores legados culturais da humanidade. Não se escreve a história da cultura sem nomes complicados como Rachmaninov, Dostoiévski e Nijinski.
Compreender a Rússia significa compreender também a dicotomia entre Moscou e São Petersburgo, como as duas faces de uma moeda. Se São Petersburgo está voltada para o Ocidente, em Moscou reside a tradição genuinamente russa. Se uma é o centro cultural, a outra é o centro político e religioso do país. Se aquela é a cabeça da Rússia, esta é seu coração.
Conhecê-la não é somente uma experiência de deleite visual. Moscou faz rever conceitos políticos e estéticos, exige a todo momento uma interpretação de sua própria história, construída por uma incrível capacidade humana de transformação.

 

Moscou - Rússia

 

Da Rússia czarista, passando pelo período soviético e assimilando o mundo moderno em apenas um século, três cidades parecem ter sido construídas no mesmo lugar. No entanto, em vez de desconfigurar a cidade, essa conturbada história de sucessivas e violentas mudanças criou uma cidade de identidade própria, onde catedrais do século 15 dividem espaço com monumentos comunistas, onde déspotas brutais conviveram com gênios da arte e onde a aparente frieza de seu povo rapidamente dá lugar ao espírito de diversão.

 

Moscou - Rússia

 

Neste caldeirão o lugar do belo está garantido. Como as cúpulas douradas das catedrais do Kremlin sob a luz límpida do verão, a beleza salta aos olhos mesmo em meio ao trânsito e à poluição. Está nos palácios dos czares, no magnífico metrô, na rica cozinha, nos clubes noturnos, nos ícones religiosos, nas bonecas matrioskas, nos preciosos museus, nos monumentos soviéticos, no passo das bailarinas.
E agora, mais do que nunca, essas belezas estão à disposição do viajante, nunca foi tão fácil visitar a Rússia. Lembre-se de que no passado Moscou sempre resistiu aos invasores. Hoje, já que você não pretende derrotar o Exército Vermelho, a cidade se oferece.

Post a Comment