My dream is having all this map painted in red

Friday, 10 December 2004

09/12/2004


Como tinha chegado em casa às 08 da manhã dormi até às 02 da tarde. Acordei com uma tremenda dor de cabeca (acho que essa foi a primeira ressaca da minha vida), tomei um banho e resolvi ir na biblioteca ver meu email e atualizar meu blog.
Como estava muito cansado resolvi tirar o dia para ficar em casa, descansar e preparar algumas coisas para a viagem de volta. Liguei no escritório da Aerolineas Argentinas aqui em Sydney para confirmar minha passagem para o próximo domingo. Como fiquei em casa quase o dia todo tive mais tempo para pensar sobre minha partida de Sydney e acabei ficando meio deprimido, pois é muito chato para mim pensar em deixar esta cidade, as amizades que fiz por aqui, as interessantes garotas que conheci nas baladas e todos os bons momentos que passei neste paraíso situado do outro lado do mundo.
Aprendi muito nesta viagem, consegui melhorar um pouco meu inglês, conheci pessoas e culturas que nunca imaginei conhecer, quebrei alguns estereotipos que eu tinha a respeito de alguns povos, por exemplo, nem todo jovem japonês é bitolado em estudos como eu pensava, nem todo alemão é tão sério quanto eu achava, nem todo argentino é chato (acreditem, eu encontrei alguns argetinos gente boa) e tanto os jovens europes, sulamericanos, asiáticos ou do oriente médio tem os mesmos sonhos, objetivos, qualidades, defeitos. Gostamos das mesmas coisas, das mesmas músicas, somos mais parecidos do que eu imaginava, adoramos aproveitar as noites, conhecer novas pessoas e lugares, conversar e dançar.
Diria que os dias que passei por aqui, foram os melhores dias da minha vida, desde criança sempre tive muita curiosidade a respeito dos outros países, culturas, sempre quiz saber como as pessoas viviam, falavam nestes outros lugares e hoje quem diria, eu, um jovem brasileiro, nascido numa pequena cidade do interior de Minas Gerais chamada Capitólio estaria em Sydney na Austrália conhecendo tantas coisas interessantes e descobrindo que o outro lado do mundo não é tão distante quanto eu imaginava e que nosso planeta possui uma infinidade de lugares que podemos conhecer.
Pode ser besteira da minha parte mas acredito que uma viagem como essa nos torna pessoas melhores, com mais visão do mundo, mais cidadãs, adquirimos consciência sobre as diferenças culturais do nosso planeta e nos deixa com mais garra e bem preparados para a vida.
Aconselho a todos que viajem, conheçam o mundo, devemos nos libertar do pequeno mundo que vivemos, a muito mais coisas além da nossa rua, cidade, país que podemos conhecer. Sei que muita gente vai pensar que não viaja por não ter grana, eu também não tenho grana, mas se você colocar isso como seu objetivo de vida e fazer um planejamento financeiro, logo, logo você junta grana para a empreitada. Outros podem pensar que não tem mais idade, e acho que não existe idade para se desprender de alguns vínculos e conhecer o mundo, não importa se você tem 18 ou 81 anos se você tem saúde o mundo está ai a sua disposição. Outras pessoas podem pensar que é muito chato viajar sem um amigo(a), mas posso afirmar a todos que quando você viaja sozinho como eu, você fica mais receptivo a conhecer novas pessoas, aprender um novo idioma e passar por grandes descobertas tornando a viagem muito legal.
Para terminar gostaria de dizer que ser um mochileiro é uma experiência única mas que só damos conta quando estamos no nosso destino.
Post a Comment