My dream is having all this map painted in red

Thursday, 17 April 2008

José Saramago



Eu sei, estava a muito tempo a dever um post sobre Saramago neste blog. Como é possível eu ter me tardado tanto a escrever sobre este escritor português. Ok, peço desculpas.
O fato é que mesmo quando vivia no Brasil seus livros já me haviam sido recomendados mas até o momento não havia lido nenhum, mas vivendo cá em Portugal, na terra de Saramago, resolvi conferir sua histórias e tive uma surpresa muito agradável.

Josè Saramago nasceu em 1922, de uma família de camponeses, nasceu na aldeia de Azinhaga na província do Ribatejo, aqui em Portugal. Exerceu diversas profissões como: serralheiro, desenhista, funcionário público e jornalista antes de se dedicar só a literatura. Ganhador do Prêmio Nobel em 1998, o primeiro para a língua portuguesa, é autor de algumas das obras mais relevantes do romance contemporâneo.

Terminei de ler um livro de Saramago chamado "As intermitências da morte" e corri para escrever este post, neste livro a personagem principal é a morte, sim a morte. De repente, a morte suspende suas atividades. Um país imaginado por Saramago, tinha sido escolhido para a imortalidade, depois de milênios de sofrimento e sujeição a morte. Ano Novo, vida eterna, porque no livro de Saramago, desde um dia 1º de janeiro ninguém mais morria nesse estranho canto do mundo inventado por José Saramago em "As Intermitências da Morte", uma fábula sobre os caprichos da figura macabra que segura os fios da vida de cada um.
Ela pode ser fatal, mas também tem seus sentimentos. Magoada porque os seres humanos tanto a detestam, a morte resolve mostrar como, no fundo, eles são uns ingratos. A falta de falecimentos logo se revela um problema, e não só para as agências funerárias. Os hospitais ficam lotados de pacientes agonizantes impedidos de "passar desta para a melhor". E os idosos avançam sem esperança de descanso, o cardeal antevê o pior, sem morte não há ressureição, e sem ressureição não há igreja. Em poucas páginas Saramago expõe todos os vínculos que normalmente ligam a morte ao cotidiano.
Um livro onde a personagem principal é a morte pode parecer um pouco assustador, mas para o romancista Saramago, transformar a morte em ironia e conta-la com humor parece ser uma tarefa muito fácil e tenho certeza que não se arrependerá se ler.
Deixo aqui esta sugestão de leitura. Espero que gostem.
Post a Comment